Febre amarela continua causando mortes no Sudeste e Sul do país
UNILUS - Centro Universitário Lusíada
Compartilhar: YouTube Facebook Twitter     Home | Mapa do Site | Identidade Visual | Ouvidoria | Trabalhe Conosco | Fale Conosco
Área Restrita: Aluno  Professor  |Usuário: |Senha:  
UNILUS    CURSOS    CAMPI    ALUNOS    NOTÍCIAS    PROCESSO SELETIVO
Febre amarela continua causando mortes no Sudeste e Sul do país
Você está em: Home >Notícias >Febre amarela continua causando mortes no Sudeste e Sul do país  

Febre amarela continua causando mortes no Sudeste e Sul do país



18/06/2019 - UNILUS

Brasil registrou 14 mortes este ano, sendo 12 em São Paulo, 1 no Paraná e 1 em Santa Catarina; maioria das vítimas era homem de áreas rurais

Mesmo com o fim da epidemia da doença, a febre amarela continua causando mortes no Sudeste e no Sul do país. De acordo com o informe epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (17), o Brasil registrou 14 mortes este ano, sendo 12 em São Paulo, 1 no Paraná e 1 em Santa Catarina.

São 84 casos confirmados desde o início do ano, todos nessas regiões. No ano passado, no mesmo período, foram 1.309 ocorrências.

A maioria dos casos foi registrada em São Paulo (68) e os demais no Paraná (13) e em Santa Catarina (1). O primeiro caso confirmado de febre amarela em Santa Catarina ocorreu em março deste ano.

A maior parte das vítimas eram trabalhadores rurais ou pessoas expostas a áreas silvestres, onde os mosquitos transmissores atuam. O Ministério ainda informou que 73 (89%) eram homens com idades entre 8 e 87 anos.

Ainda há 286 casos em investigação não apenas em São Paulo, Paraná e Santa Catarina, mas também em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Bahia, Ceará, Sergipe, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia e Distrito Federal.

A vacina contra a febre amarela é recomendada em todo o território nacional e está disponível pelo SUS (Sistema Único de Saúde) o ano inteiro.

O imunizante, oferecido em dose única, não é indicado para crianças menores de 9 meses, gestantes, mulheres amamentando crianças com até 6 meses e pacientes com imunodepressão, como câncer, HIV, tratamento com drogas imunossupressoras (corticosteroides, quimioterapia, radioterapia, imunomoduladores) e submetidas a transplante de órgãos.





Fonte:. R7







Voltar




UNILUS - Centro Universitário Lusíada

UNILUS
> Palavra do Reitor
> Campi
> Notícias
> Fale Conosco

CURSOS
> Processo Seletivo
> Graduação
> Pós-graduação
> Extensão

ALUNOS
> Calendário Acadêmico
> Bibliotecas
> Iniciação Científica
> Reemissão de boleto
UNILUS - Centro Universitário Lusíada Colégio UNILUS Fundação Lusíada

© 2012 - 2019 UNILUS - Centro Universitário Lusíada. Todos os direitos reservados